Terça-feira
22 de Outubro de 2019 - 
HONESTIDADE E ÉTICA

TJTO e demais parceiros do Sistema de Justiça formalizam a Rede de Sustentabilidade “TO Sustentável”

Para expandir e avançar no desenvolvimento de ações socioambientais, o Poder Judiciário do Tocantins, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-TO), o Ministério Público Estadual (MPE), o Tribunal de Contas do Estado (TCE), a Defensoria Pública Estadual (DPE), a Universidade Federal do Tocantins (UFT) e a Universidade Estadual do Tocantins (Unitins) assinaram, nesta terça-feira (08/10), na Escola Superior da Magistratura Tocantinense (Esmat), o Termo de Cooperação nº 02/2019, formando então a Rede de Sustentabilidade “TO Sustentável”. A abertura da primeira reunião da Rede foi realizada pela desembargadora Ângela Prudente, vice-presidente do Tribunal de Justiça e presidente da Comissão Gestora do PLS-PJTO, que agradeceu a participação de todos e ressaltou que a Rede está alinhada à Agenda 2030 das Nações Unidas, busca internalizar o Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 16 (ODS-16) e, assim, “compartilhar experiências das ações e aprender uns com os outros”. Ressaltou, ainda, a responsabilidade das instituições com os recursos financeiros e naturais e com o avanço das práticas socioambientais. O juiz Pedro Nelson de Miranda Coutinho, gestor do projeto, explicou que “o TO Sustentável ganha mais um viés coletivo através da união dos parceiros para trazer ideias importantes, somando as experiências de cada um”. Já a coordenadora do Núcleo de Gestão Socioambiental do TJTO, Leila Jardim, falou sobre o início da implantação do PLS no Poder Judiciário e dos avanços já alcançados. “Em quatro anos, o Tribunal reduziu mais de 90% as embalagens descartáveis para água, o consumo de copos descartáveis caiu 55% e ocupamos, no 3º Balanço Socioambiental do CNJ, o primeiro lugar em ações de capacitação e sensibilização, entre os Tribunais de pequeno porte do país.” Presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO), desembargador Eurípedes Lamounier, também falou das ações que vêm sendo realizadas no órgão, entre elas a campanha para a redução do derrame de santinhos durante o período eleitoral. “A campanha ‘Eleições Sem Sujeira’ alcançou um resultado positivo nas quatro eleições do ano passado. Conseguimos conscientizar os candidatos para a importância de manter as seções de votação e as cidades limpas”, ressaltou. O representante do Ministério Público Estadual (MPE), o procurador José Maria da Silva, parabenizou a iniciativa do Poder Judiciário “por envolver as instituições a participarem ativamente e assim proporcionar a troca de experiências”. “Cada instituição tem seu modo de gerir os recursos, e a união de forças vai contribuir para a economia de recursos de todas as instituições envolvidas”, avaliou a representante do Tribunal de Contas do Estado, Maria Lucia Vieira. Também participaram da reunião o diretor-geral do TJTO, Jonas Demóstene Ramos, representantes do Ministério Público (MPE), procurador José Maria da Silva; da Defensoria Pública (DPE) Maurina Jácom; do Tribunal de Contas (TCE), Maria Lucia Vieira; do Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO), desembargador Eurípedes Lamounier, e os servidores Wagna Cristiane e Renato Gomes; da Universidade Federal do Tocantins (UFT) Fernanda Noda e Vanderson Carneiro; e da Unitins Aymara Colem. TO Sustentável no Poder Judiciário   O projeto TO Sustentável, encabeçado pelo Poder Judiciário do Tocantins e que segue os preceitos do Conselho Nacional de Justiça por meio do Plano de Logística Sustentável, foi lançado pelo presidente do TJTO, desembargador Helvécio de Brito Maia Neto, durante visita às comarcas na Região do Bico do Papagaio, com a caravana da Justiça Cidadã, entre os dias 23 e 27 de setembro. Na oportunidade, juízes e servidores das comarcas assinaram o pacto pela sustentabilidade, reafirmando o compromisso de todas com a gestão consciente dos recursos naturais. Texto: Gabriela Almeida Fotos: Ednan Cavalcanti  
08/10/2019 (00:00)
Visitas no site:  95161
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia